segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Brasileirão

0 comentários
Grêmio perde na Arena Corinthians

Corinthians foi melhor e conquistou a vitória. 

    O Grêmio se complicou na busca por uma vaga na Libertadores do próximo ao perder para o Corinthians por 1x0 na noite de ontem em São Paulo. Os donos da casa foram melhores e chegaram ao gol no final da segunda etapa. Agora o Tricolor, além de vencer seus dois próximos jogos, vai precisar torcer por tropeços de Inter e Corinthians para ter chances de entrar novamente no G-4.
   Ou para que o Cruzeiro conquiste o título da Copa do Brasil nesta quarta-feira. Desta maneira abriria uma quinta vaga no Brasileiro e o Atlético-MG seria o adversário gremista pela vaga.
   A primeira chegada com perigo corintiana foi com Paolo Guerrero aos 10 minutos de jogo. Ele girou dentro da área e acertou a trave de Marcelo Grohe.
   Era o Corinthians que tinha as ações do jogo. Felipe levou perigo em cabeceio após cobrança de escanteio. Já no final do primeiro tempo, em ataque rápido adversário, Marcelo Grohe salvou o Grêmio. O goleiro Cássio pouco tinha trabalho.
   Para o segundo tempo Felipão voltou com Giuliano no lugar de Riveros, deixando o Tricolor mais ofensivo. Contudo o Timão continuou levando perigo, Guerreiro quase marcou um golaço no início da etapa final.
   Aos 35, em bola levantada na área gremista, Felipe subiu sozinho e acertou o pé esquerdo da trave de Grohe. Dois minutos depois Paolo Guerrero recebeu na área, girou e bateu entre o goleiro e a marcação para fazer Corinthians 1 a 0.

Com gol no final Inter vence 
o Atlético-MG no Beira Rio

Vaga na Libertadores 2015 pode ser confirmada em jogo no Beira-Rio no próximo sábado. 

  Foi no último minuto de jogo que o Internacional chegou ao gol da vitória diante do Atlético-MG na noite de sábado no Beira-Rio. O gol de Fabrício deixou o colorado dentro do G-4. Mesmo diante do time reserva do Galo, o Inter teve dificuldades, mas obteve os três pontos. Em caso de vitória diante do Palmeias na próxima rodada o Inter confirma a vaga na Libertadores do próximo ano.
  No começo do jogo o time colorado demonstrava dificuldades, não criando chances para marcar. Como os visitantes também não criavam, o jogo começou fraco tecnicamente.
   Até que aos 20 minutos Jorge Henrique recebeu passe pela ponta esquerda e cruzou rasteiro no meio da área para Rafael Moura apenas tirar de Victor, Inter 1 a 0.
   A vitória parcial durou pouco. Dois minutos depois, o árbitro marcou pênalti de Fabrício em cima de Eduardo. Dodô foi para a cobrança e deixou tudo igual.
   No segundo tempo Rafael Moura perdeu a chance de marcar novamente, dentro da área em chute defendido por Victor. Logo na sequência o Galo respondeu em contra ataque e foi a vez de Pierre desperdiçar a finalização também dentro da área.
  Os mineiros passaram a ir mais o ataque no segundo tempo. Contudo o Inter empurrou o adversário para seu campo de defesa e tentou ensaiar uma pressão. Aos 19, Victor fez grande defesa e salvou o Atlético. Rafael Moura cabeceou dentro da área e viu o goleiro atleticano saltar e espalmar para escanteio.
   Mas foi no último ataque colorado que o Beira-Rio foi ao delírio. Aos 49 minutos, a bola foi levantada na área, Valdívia subiu com a marcação e a bola sobrou com Fabrício que de perna direita mandou no canto de Victor. No único espaço, entre Victor e a trave, a bola passou e o Internacional comemorou a vitória heroica. Foi visível a emoção em todo Beira-Rio.

Sábado 
Inter 2x1 Atlético-MG
Bahia 1x2 Atlético-PR
Ontem
Flamengo 1x1 Criciúma
Sport 2x2 Fluminense
Santos 0x1 São Paulo
Cruzeiro 2x1 Goiás
Figueirense 2x0 Vitória
Corinthians 1x0 Grêmio
Coritiba 2x0 Palmeiras
Chapecoense 2x0 Botafogo

Próxima rodada
Sábado
19h30min
Inter x Palmeiras
Criciúma x Sport
21h
Flamengo x Vitória
Domingo
17h
Fluminense x Corinthians
São Paulo x Figueirense
Santos x Botafogo
Chapecoense x Cruzeiro
19h30min
Atlético-PR x Goiás
Atlético-MG x Coritiba
Bahia x Grêmio

Leia Mais ...

domingo, 23 de novembro de 2014

E se o Destino soprar?

0 comentários
Professora, pedagoga e psicopedagoga, esta é Claudia Hackbart. Que no 
ano de 2009 descobriu que tinha um dom, o de escrever.


Claudia: “Uma história de amor baseada 100% em fatos reais”

   Ela relembra que sempre teve este hábito. Mas esta percepção se deu quando resolveu se livrar de velhos cadernos, diários e agendas. “Quando fui passar todo este material para o computador, percebi que ali tinha muito mais do que simples anotações”.
   Das anotações do dia a dia, desde os tempos de infância surgiu “E se o Destino soprar?”, que levou três anos para ser concluído. Este é o primeiro livro publicado da escritora, onde é narrado um romance autobiográfico. Uma história de amor, baseada 100% em fatos reais, que envolve toda a família da escritora.
   Sendo que o foco principal está na vida de Claudia. Norteado também por incertezas, dúvidas, muitos temas polêmicos, como eutanásia, questões de fé, fertilização in-vitro, Deus e ciência, câncer de mama. Ambientado em Pelotas, sua cidade natal, e Porto Alegre, onde Claudia cresceu e também com algumas passagens por Caxias, onde ela reside há 15 anos. “Escrever é como montar um quebra cabeça. Um hábito indispensável na minha vida”, diz.
   O prefácio do livro foi escrito pelo Frei Jaime Bettega.  Claudia frisa que há tempos é leitora das colunas do Frei nos jornais e ouvinte de seus comentários no rádio. Então um belo dia enquanto estava escrevendo sobre religião, teve a ideia de que o Frei poderia ter uma participação especial em sua obra.
   “Enviei-lhe um e- mail perguntando se ele poderia fazer o prefácio. Mas achava que ele não iria aceitar, visto que escrevo sobre vários assuntos polêmicos. Fiquei muito grata e surpresa quando ele respondeu aceitando o pedido”, afirmou.
   Para os amantes da leitura a escritora já adianta que em breve virão mais livros, visto que ela já está trabalhando simultaneamente em três obras.
    Detalhando sobre o que está escrevendo, ela informa que um dos livros trata de uma continuação do “E se o Destino soprar?”. “Espero lançá-lo na feira do livro do ano que vem”, revela. A outra obra se trata de histórias de natal, e a terceira, chamada de Confrarias, fala de um grupo de casais que cse reúne e troca experiências, om algumas passagens reais.

“A inspiração para escrever 
vem de amar o que faz”

   Para desenrolar as três tramas, Claudia se dedica diariamente. Seus horários são das 14h às 17h, enquanto suas duas filhas estão na escola. E das 23h às 3h, sendo este o horário mais produtivo, em razão do silêncio.
   Com descanso nos finais de semana, relata a escritora. De acordo com a escritora a inspiração para escrever vem de amar o que faz. Um de seus facilitadores é ser uma notória observadora. “Presto atenção em tudo, no que as pessoas falam, nos seus gestos etc. Em algum momento, de alguma forma podem ser inseridos na história”. Para ela o grande problema é que ela pensa muito mais rápido do que digita. “Às vezes acabo me esquecendo de coisas interessantes”.
   Fã de Machado de Assis e Paulo Coelho, a escritora enfatiza que já faz algum tempo que tem se dedicado a ler escritores de Caxias. “Tem muita coisa boa aqui”. O lançamento do livro, em Caxias ocorreu no dia 19 de novembro.
Leia Mais ...

“Temos que ter mais um batalhão”, afirma o comandante do 12º BPM

1 comentários
 Se Porto Alegre, com 1,5 milhão de habitantes, tem oito batalhões da Brigada 
Militar, por que Caxias, com 500 mil, só tem um? 

   12° Batalhão de Polícia Militar, há 40 anos sediado na cidade, já não comporta mais as necessidades de segurança dos quase 500 mil habitantes de Caxias do Sul.  Há necessidade urgente do aumento do efetivo, que é responsabilidade do governo do Estado.
   Caxias do Sul é hoje a segunda cidade gaúcha em população, se aproximando dos 500 mil habitantes. A comparação com Porto Alegre, que tem 1,5 milhão e meio e tem oito batalhões da Brigada Militar, comprova que algo está errado. Pela população que tem Caxias deveria ter cerca de mais dois batalhões ou no mínimo mais um.
   O Major Lúcio Henrique Catilhos De Alencastro informa que o efetivo do 12º BPM conta atualmente com 470 policiais. Sendo que destes estão disponíveis para o policiamento apenas 370.  “Este alto número de policiais inativos se dá em razão de que sempre há policial em férias, com baixas, dispensas, ou em cargos administrativos”, diz.
   Para fazer o patrulhamento o 12° BPM tem a sua disposição 106 viaturas entre motos, caminhões, carros. Destes, em torno de 10% estão geralmente parados em função de falta de verba para manutenções, revela.
   Embora a responsabilidade da segurança pública seja do Estado, e diante disso cabe a ele dar melhores condições estruturais para prestar um bom atendimento, como repassar as verbas suficientes para que seja prestado um bom serviço, o comandante do 12º BPM  lastima o fato de o Consepro (entidade civil de caxienses criada espontaneamente para auxiliar com recursos a área de segurança) não repassar nenhuma verba. “Se nos repassassem pelo menos R$ 20.000,00 já nos ajudaria bastante. Recebemos da prefeitura em torno de R$ 230.000,00”, revela.
   Segundo o Major Alencastro, as maiores dificuldades enfrentadas pelo 12° Batalhão são a falta de efetivo e recursos financeiros. “Teríamos que ter um acréscimo de 40% no nosso efetivo, o que significaria que deveríamos ter em torno de 700 policiais. Este segundo Batalhão em Caxias está caindo de maduro. Temos que ter mais um batalhão”, afirma.

Alencastro “O prende e solta
é outro grande problema”
 
   Mas enquanto esta reivindicação não vira realidade, uma alternativa que tem gerado resultados satisfatórios é o policiamento comunitário. “Os índices têm baixado, principalmente os de assalto. Os horários do policiamento comunitário são variáveis, dependendo muito da necessidade de cada bairro, sendo destinados  99 policiais para esta função, três por núcleo, com carga horária de 8h”, informa o Major.
   Ele ainda relata que o outro grande problema também é o prende e solta. “O soldado cada vez mais repetidamente prende várias vezes a mesma pessoa durante o mês. Fazemos a nossa parte, mas não temos o poder de decidir se a pessoa ficará presa. Os juízes são responsáveis por este fato”, lamenta Alencastro.
   Questionado sobre os locais de maior criminalidade na cidade, ele salientou que depende do tipo de crime. Assalto a pedestre, na área central, drogas,  na zona do cemitério, burgo; já o homicídio é bem diversificado. “Temos achado muitos corpos nas barragens”, revela.
   Sobre a Operação Papai Noel, que irá ocorrer de 08 de dezembro até 03 de janeiro. Alencastro informou que a operação irá contar com o apoio de 12 soldados da área do CRPO da serra. “Virão quatro soldados de Vacaria, Bento e Farroupilha. Também iremos disponibilizar mais oito soldados que trabalham no administrativo em hora extra. Estes 20 soldados irão atuar nas áreas centrais da cidade”, informa.
   Ele relata que é feito um planejamento, para que a demanda seja atendida e para que a vinda temporariamente destes policiais não acarrete em problemas para estas cidades. “O ideal seria que este modelo fosse o ano todo, oque poderá virar realidade quando tivermos mais um Batalhão”, afirma Alencastro.
   Visto que Caxias é uma cidade com alto índice de criminalidade, foi perguntado para o Major o que poderia ser feito para diminuir estes números. Ele foi enfático na sua resposta dizendo que a sociedade precisa dizer não às drogas, obedecer às leis. Com a ressalva que para se obter uma sociedade mais pacífica , temos que ter como base de tudo a educação. “Se realmente nossa sociedade tivesse educação, não precisaríamos de tantos policiais na rua”.

O 12° BPM conta com quatro 
companhias de polícia militar

   A Brigada Militar teve seu início no dia 18 de novembro de 1837. No último dia 18 comemorou 177 anos, em Porto Alegre. Era um momento conturbado em meio à Revolução Farroupilha, quando o presidente da província de São Pedro do RS, Antônio Eliziário de Miranda Brito, criou uma força policial. O efetivo continha 19 oficiais e 344 praças e no dia 12 de agosto de 1955 foi criada a companhia de Polícia Pedro e Paulo, destinada a desenvolver atividades policiais de rua em duplas.
O 12° Batalhão da Brigada Militar foi criado no ano de 1974, tendo sua primeira sede na Rua Visconde de Pelotas. Contava com um efetivo de 14 oficiais e 285 praças. A mudança para a sede atual, localizada no bairro Kayser, Travessa Santa Maria, 900, aconteceu no dia 13 de março de 1975, onde até então abrigava o convento de ordem das Irmãs Imaculado Coração de Maria.
   Nestes 40 anos, Caxias evoluiu muito. Sua população saltou para quase meio milhão de habitantes, e o 12° BPM acompanhou este desenvolvimento com as criações do Pelotão Polícia de Choque, atual Pelotão de Operações Especiais (POE) no ano de 1975.
   Em meados de março de 1982 foi criado o grupo de Polícia Montada, com sua sede no campus da UCS. O primeiro grupamento de Policiais Femininas de Caxias foi criado no dia 06 de fevereiro de 1991, tendo como sua primeira missão a Festa da Uva daquele na, contando atualmente com quatro companhias de polícia militar. A primeira foi criada no dia 17 de dezembro de 1992, localizada no Parque dos Macaquinhos, sendo responsável pela área central e leste da cidade. A segunda foi criada no dia 30 de dezembro de 1992, localizada no Parque Cinquentenário e é responsável pela parte norte e oeste.
   A terceira companhia com sede no bairro Cruzeiro é responsável pela Case e pelas duas penitenciárias do município. A quarta companhia é responsável pelas operações especiais, e em outubro de 1994 foi criado o canil. Estes dois últimos operam junto à sede do 12° BPM, sendo assim o maior do interior do estado, informa o Major Alencastro.
   Até a metade do ano de 1998 o 12° Batalhão era responsável pelo policiamento ostensivo em mais de 16 municípios da serra.  Desde então opera somente na cidade, mas sempre que necessário presta apoio às cidades da região.

                                                                                                   Foto Thiago da Luz Machado
Alencastro: “Deveríamos ter em torno de 700 policiais. Temos que ter mais um batalhão em Caxias”.

Leia Mais ...

Três anos preservando vidas

0 comentários
Apenas dois casos com mortes foram registrados envolvendo alcoolemia 
depois do início das operações da Força Tarefa no trânsito.



                                                                                                                                   Foto Diego Pereira
Blitze do Força Tarefa realizam o teste do bafômetro nos condutores 

   No dia 17 de novembro completou-se três anos de operações da Força Tarefa no trânsito em Caxias do Sul. Participam do grupo a Fiscalização de Trânsito do Município, Brigada Militar, Polícia Rodoviária Estadual e Federal, Polícia Civil e no último ano a Guarda Municipal da Secretaria de Segurança.
   Nesses três anos foram 63.770 veículos abordados e condutores fiscalizados. Destes, 3.870 estavam embriagados, sendo 866 presos e conduzidos à delegacia.
   Nas blitze da operação o condutor que apresentar acima de 0,05 miligramas por litro de ar expelido até 0,33mg/l no teste do bafômetro (etilômetro) será punido por embriaguez administrativa. Recebendo multa no valor de dez vezes gravíssima (R$ 1.915,40), perdendo a habilitação por 12 meses e mais sete pontos na carteira. Até 0,04mg/l é a margem de segurança do equipamento exigida pelo inmetro. A reincidência dentro de 12 meses a multa dobra de valor.
   Já quando o teste apresentar resultado igual ou superior a 0,34 mg/l é considerado embriaguez criminal. Neste caso o motorista sofre as mesmas punições da embriaguez administrativa e também responde criminalmente sendo conduzido à delegacia. Caso reivindicar, tem o direito de fazer contra prova em 15 minutos.
   Se o condutor se negar a realizar o teste recebe as mesmas consequências da embriaguez administrativa. Porém se o fiscal ou policial perceber sinais visíveis de alcoolemia é decretado voz de prisão e conduzido à delegacia de polícia por testemunho.
   O número de motoristas embriagados criminalmente vem diminuindo. Os dias de maiores relatos de embriaguez ao volante acontecem na madrugada de sexta pra sábado.
Depois que a operação teve início no perímetro urbano ocorreram dois casos com mortes em três anos envolvendo alcoolemia comprovadamente. Um deles foi um atropelamento na Perimetral Sul e o outro um acidente no cruzamento da Rua Os Dezoito do Forte com a Treze de Maio, onde álcool e menores de idade estavam envolvidos.

A Força Tarefa mantém 
a comunidade alerta

   Para o Diretor de Trânsito, Jorge Catusso, os números revelam o êxito do trabalho que vem sendo feito.  “A Força Tarefa mantém a comunidade em alerta permanente. Que por consequência tem um maior cuidado para não se envolver em nenhum tipo de incidente. O objetivo, além de flagrar os condutores, é manter a comunidade alerta para que o condutor tenha a sensação de que ele sempre poderá ser o próximo a ser flagrado”.
   Questionado se a operação não amedronta os motoristas ao invés de educá-los, o Diretor afirma que a Força Tarefa apresenta uma educação coercitiva, impondo o que já deveria ter sido atendido pelo condutor, pois a educação foi dada em outras oportunidades do lar, escola e na formação do ser.
E para aqueles que reclamam que a tolerância zero é muito radical, resultados de estudos científicos da medicina do trânsito mostram que mesmo o consumo mínimo de álcool pode comprometer o reflexo e o comportamento.
   Catusso é otimista em relação ao futuro, ele acredita que a operação está forçando a mudança de comportamento. “Por consequência iremos ter uma educação mais consciente no futuro, existe uma preocupação muito grande de educação do jovem, isso nos leva a ter convicção de que teremos uma geração futura de melhores condutores”.
   Por fim o trabalho é resumido por ele como algo que vem dando certo e os números devem ser comemorados com a certeza de que vidas foram preservadas. Porém ele lamenta os números de flagrantes frutos da imprudência e da falta de responsabilidade desses condutores. “É um trabalho contínuo, união de forças, sem medir esforços para dar continuidade”, afirma e reitera que as estratégias de trabalho são marcadas de acordo com calendário prévio, não tendo dia, hora nem local. “A Força Tarefa não persegue estabelecimentos e eventos. O calendário é montado com as forças disponíveis daquele mês, independente do que está acontecendo ou venha a acontecer em termos de eventos na cidade, ou seja, vale pra todos”.

Rotina de tragédias
no trânsito caxiense

   A operação teve início em novembro de 2011 quando em um acidente envolvendo cinco jovens, nos pés da estátua do Padre Giordani em São Pelegrino, três foram a óbitos no local, em uma mistura de direção, bebida e alta velocidade.
   O Diretor lembra que a cidade presenciava uma rotina de tragédias semanalmente no trânsito, geralmente em cruzamentos e vias preferenciais, visivelmente fruto da imprudência de uma das partes, ou de ambas.
   As forças em condições de fiscalização no perímetro urbano da cidade, a Fiscalização de Trânsito e a Brigada Militar, se uniram com a polícia civil, polícia rodoviária estadual e federal, já que o imprudente da alcoolemia no perímetro urbano é o mesmo que vai para as rodovias estaduais e federais.
   Para a realização da Força Tarefa, é necessário um grupo mínimo, com oito fiscais da Fiscalização de Trânsito juntamente com o apoio das demais instituições, conforme a capacidade de cada um, apoiando na segurança e no suporte.
   O Foco é a alcoolemia e todos aqueles itens que, se comprometidos ou inexistentes no veículo, poderão ser fundamentais na hora para acontecer o acidente. É verificado se o condutor do veículo está alcoolizado, possui CNH, se sua carteira não está suspensa ou cassada e se é maior de idade. Já dos veículos são conferidos as condições dos pneus, suspensão, iluminação, alterações no motor, ou que perturbem o sossego alheio. “Os principais itens do veículo e mais a situação do condutor podem ser um fator determinante entre acontecer ou não o acidente”, explica Catusso.
   O Diretor ressalta que sempre são respeitados aqueles veículos com alteração de características que possuem o certificado de segurança veicular (CSV) constando no seu documento.

Confira os números destes três anos de atividade:

- Veículos abordados e condutores fiscalizados: 63.770
- Condutores embriagados: 3.870, destes, 866 foram presos e conduzidos à delegacia
- Condutores não habilitados: 2.073
- Condutores com CNH suspensa: 409
- Condutores não presos ao cinto de segurança: 1.747
- Veículos com características alteradas: 1.539
- Veículos sem ou com descarga deficiente: 699
- Veículos com películas em desacordo: 1.231
- Veículos não licenciados: 3.096
- Veículos em mau estado de conservação sem condições de rodar: 1.258
- Veículos com sistema de iluminação alterado: 1.228
- CRLVs recolhidos para regularização do veículo e após vistoria na SMTTM: 5.001
- Veículos removidos aos CRDs (guincho): 3.870



Leia Mais ...

A entrega da 7ª edição do troféu ARI serra gaúcha

0 comentários
O Troféu foi lançado em 2008, numa iniciativa conjunta da ARI 
Serra Gaúcha e Diretoria de Comunicação e Marketing da CIC.

   A Associação Riograndense de Imprensa (ARI) Serra Gaúcha realizou, em parceria com a Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), a entrega do 7º Troféu ARI Serra Gaúcha. A cerimônia ocorreu na reunião-almoço da CIC do dia 17.
   11 profissionais de Caxias do Sul foram reconhecidos por suas trajetórias profissionais no Jornalismo e na Comunicação Social. Foram homenageados Roberto Nielsen, em Jornalismo Impresso; Márcio Serafini, em Radiojornalismo; Carlos Quadros, Comunicador; Luiz Cláudio Farias, em Telejornalismo; Julio Soares, em Fotografia.
   Ainda: Maria Lúcia Bettega, em Relações Públicas; Waner Biazus, em Publicidade e Propaganda, que esteve representado por sua sócia, Danir Poyer; Méri Steiner, em Marketing; Rosa Ana Bisinella, em Assessoria de Imprensa; Cláudio Scherer, Contribuição Especial à Comunicação; e Paulo Gargioni, Homenagem.
    O processo de indicação e eleição dos profissionais, escolhidos por sua trajetória, ocorreu no dia 30 de outubro, na CIC. Participaram representantes da CIC e ARI Serra Gaúcha.
    Durante o evento, o presidente da ARI Serra Gaúcha, Paulo Cancian, explicou os objetivos da homenagem e destacou a competência do grupo de agraciados e comemorou a consolidação do prêmio. Cancian, aproveitou para anunciar que Caxias do Sul terá um novo canal de televisão - a TV Diamante – a partir de janeiro de 2015. Segundo Cancian terá uma forte programação religiosa com 2h horas de programação local.

                                                                                                                     Foto Fábio Grison/Objetiva
Onze profissionais foram agraciados por suas trajetórias no jornalismo e na comunicação

Leia Mais ...

sábado, 22 de novembro de 2014

Projeto denomina o espaço da TV Câmara como Estúdio Jimmy Rodrigues

0 comentários
De autoria da Mesa Diretora, a proposta foi aprovada 
por unanimidade na seção do dia 20.

   O Projeto de Decreto Legislativo que denomina o espaço da TV Câmara de Caxias do Sul como Estúdio Jimmy Rodrigues passou em primeira discussão na sessão ordinária do dia 19. Assinada pela Mesa Diretora, a proposição voltará ao plenário para segunda discussão e votação final. Segundo o texto, conceder o nome de Jimmy ao local é uma forma de homenagear um reconhecido jornalista e político da cidade e reverenciar sua trajetória.
   Jimmy Rodrigues foi um grande comunicador tanto em veículos eletrônicos quanto impressos e nas áreas de assessoria de imprensa e de gestão. Também teve forte influência no campo político, chegando à presidência da Câmara Municipal de Caxias do Sul e, interinamente, ao comando do município.
   A proposta explica, ainda, que o espaço da TV Câmara é voltado à produção e à gravação de conteúdos legislativos e jornalísticos que tenham relação com a comunidade caxiense e à transmissão de programas, sessões ordinárias e demais reuniões parlamentares.

Sobre Jimmy Rodrigues

   Filho de Osvaldo Rodrigues e de Elphira Villas Boas Rodrigues, Jimmy Rodrigues nasceu em Caxias do Sul, no dia 31 de agosto de 1925. Casou com Zita Jandira Frizzo, 88 anos, com quem teve três filhos (Wilton Carlos Rodrigues, Paulo Roberto Rodrigues e Silvana Rodrigues) e quatro netos. Jimmy Rodrigues,  atuou como jornalista e radialista. No ano de 2013, quando faleceu, iria completar 70 anos de atividade jornalística, tendo iniciado sua carreira em 4 de dezembro de 1943, no jornal "O Momento", de Emílio Fonini.
   Atuou no Jornal "Correio Riograndense" e exerceu as funções de redator e diretor do "Pioneiro". Também foi um dos fundadores e primeiro editor do "Jornal de Caxias", além de correspondente do "Diário de Notícias" e do "Jornal do Comércio", de Porto Alegre. Jimmy dirigiu a sucursal de Caxias do Sul de "Última Hora" e de "Zero Hora".
   Exerceu as funções de editor, redator, colunista e gerente do jornal "A Época", e colaborou em diversos outros jornais locais, entre eles a Gazeta de Caxias em seus primórdio quando se chamava O Pellegrino, no final dos anos 80. Colaborou ainda com revistas do Estado e do país. Foi redator da Rádio Caxias e trabalhou nas rádios Independência, Difusora, São Francisco e Princesa,  além de colaborador da Televisão Caxias-Canal 8. Antes de falecer, era colaborador e colunista da Revista Acontece.

Atuação pública e social

   Elegeu-se vereador para a Câmara Municipal de Caxias do Sul em 8 de novembro de 1959, pelo Partido Democrata Cristão (PDC). Assumiu a função na IV legislatura (1960-1963), tornando-se presidente da Casa em 1963. Em maio de 1980, a convite do então prefeito Mansueto Serafini Filho, foi assessor de imprensa do município. Posteriormente, em junho de 1982, assumiu o cargo de secretário-geral e, em agosto, foi designado para ser chefe de gabinete da Administração. Em 1984, a convite do então presidente Mario Vanin, foi diretor administrativo da Festa Nacional da Uva S.A., da qual, em 1965, havia sido secretário-executivo. Em 1996, como secretário de Administração do governo de Mario David Vanin, chegou a comandar a prefeitura. No livro A voz e a palavra: o fluir da vida sob o olhar do cronista, de autoria do próprio Jimmy, há o registro de que, na época, Vanin viajaria ao Exterior e tanto o vice-prefeito quanto o presidente da Câmara de Vereadores estavam licenciados, para concorrer às eleições, o que os impediria de assumir o cargo de prefeito. E, como não havia representante do Judiciário apto a assumir o município, Jimmy foi designado ao cargo de prefeito, no qual ficou por 10 dias. Em 2003, o jornalista recebeu do parlamento caxiense o título de Cidadão Emérito.

Falecimento

Ele morreu aos 87 anos, em 2013. Faleceu às 13h15min de 9 de junho (domingo), no Hospital Saúde, em Caxias do Sul, vítima de insuficiência respiratória aguda.  O velório aconteceu no plenário da Câmara Municipal de Caxias do Sul. O sepultamento ocorreu no dia seguinte, em 10 de junho de 2013 (segunda-feira), às 15h, no Cemitério Público Municipal.

                                                                              Foto Acervo da Câmara Municipal de Caxias do Sul 
Espaço da TV Câmara deverá ter o nome do jornalista Jimmy Rodrigues



Leia Mais ...

Quantos mais deputados federais um partido tiver, mais espaço na rádio e na TV

0 comentários
Novo cálculo de tempo para propaganda eleitoral reduz espaço de partidos nanicos e beneficia partidos maiores. Nova legislação entra em vigor nas eleições municipais de 2016.

   As eleições que serão realizadas a partir de 2016 terão como marca a volta dos candidatos nanicos que terão cerca de 15 segundos para pedir voto no horário eleitoral. Esse tempo será suficiente para dizer algo em torno de 35 palavras.
   A nova regra afeta principalmente os chamados “nanicos ideológicos”, como PSTU, PCO e PCB, que costumam lançar candidatos e não têm representantes eleitos na Câmara dos Deputados. Por outro lado, os pequenos partidos fisiológicos terão maior tempo de TV para negociar alianças com legendas maiores.
   A mudança se deve a uma reforma da legislação que trata da divisão de tempo de propaganda, e que só não valeu em 2014 por ter sido feita no final de 2013, menos de um ano antes das eleições.

Acesso desproporcional
 à propaganda eleitoral

   Os nanicos tinham acesso privilegiado à propaganda eleitoral, desproporcional a seu número de votos, por causa de uma regra na legislação que determinava que um terço do horário eleitoral fosse dividido igualmente entre todos os candidatos a cargos executivos. Os outros dois terços eram rateados de acordo com o tamanho das bancadas ou coligações na Câmara.
   Com as regras agora introduzidas, apenas 11% do tempo será dividido igualmente entre os candidatos, em vez de 33%, como antes. Os outros 89% serão rateados proporcionalmente ao número de deputados eleitos para o Parlamento.

Prejuízo para os
Partidos nanicos

   No caso da maioria dos nanicos de extrema esquerda, o número de representantes na Câmara é zero. Em uma eleição como a de São Paulo em 2012, à prefeitura, com 12 candidatos, os representantes do PCO, do PCB, do PSTU e do PPL, teriam 17 segundos para fazer campanha, uma redução de 66% em relação ao obtido há dois anos.
   É tempo similar ao que tinha o presidenciável Enéas Carneiro (fundador do Prona, que se transformou no atual PR) na disputa de 1989 que elegeu Fernando Collor de Mello (PRN). Na época, ele se celebrizou como o mais caricato dos nanicos por falar de forma rápida na TV e concluir sempre seus discursos, aos gritos, com o bordão: “Meu nome é Enéas!”.
   Além dos candidatos ideológicos, serão prejudicados os “donos” do PRTB e do PSDC, Levy Fidelix e José Maria Eymael, que já se candidataram à presidência três ou quatro vezes respectivamente.
Um potencial afetado pela nova legislação é Marina Silva, ex-presidenciável pelo PSB. Se deixar o partido e retornar ao projeto de fundação da Rede Sustentabilidade, chegará às próximas eleições presidenciais com tempo de TV equivalente ao dos nanicos, a menos que consigam alianças com partidos tradicionais.

   Cada deputado 
eleito vai valer mais

   Na prática, a mudança na legislação fará com que cada deputado federal eleito passe a valer mais em termos de tempo de TV. Dos 28 partidos que terão representação na Câmara Federal a partir de 2015, 23 terão uma cota maior de propaganda em 2016, em relação a 2014, mesmo os que sofreram redução de suas bancadas.
   Graças às novas regras e também ao melhor desempenho nas urnas, o PSDB, por exemplo, é o que mais ganhará. Na eleição municipal, a cota de sua bancada passará de pouco menos de dois minutos para quase três, em cada bloco de 30 minutos, um avanço de 52 segundos.
   Já o PT, que encolheu em número de deputados, terá apenas 17 segundos a mais. Como continuará  sendo o detentor da maior bancada, porém, terá também o maior tempo, 3 minutos e 39 segundos.
Cálculos feitos em eleições passadas mostram que é forte a correlação entre tempo de propaganda e sucesso nas urnas, principalmente nas disputas  pelas prefeituras, como ocorrerá nas eleições de 2016 quando a nova legislação entrará em vigor.


Leia Mais ...

Ampliação do estacionamento no Aeroporto ficou para 2015

0 comentários
   As melhorias estavam previstas para ficarem prontas ainda em 2014, mas em virtude das condições climáticas e do número de detonações necessárias, esse prazo deve se estender até março de 2015.
Conforme o administrador do Aeroporto Hugo Cantergiani, Marcos Arguelles, a ampliação vai ser bem-vinda. Ele destaca o empenho da equipe da Secretaria Municipal de Trânsito (SMTTM), por meio da Codeca, que está diretamente ligada à obra, e garante que as melhorias trarão benefícios aos usuários.
   Mesmo com a demora, Arguelles garante que a obra está em estágio final. Ele revela ainda que, além do estacionamento, está sendo feita também a pintura da pista. O estacionamento será para aproximadamente 140 automóveis e quatro ônibus. A obra teve início em 2012.


Leia Mais ...

Novo canal de TV aberta opera em janeiro de 2015 em Caxias

0 comentários
A Associação Riograndense de Imprensa (ARI/Serra Gaúcha) está 
anunciando a chegada do canal CNT em Caxias do Sul.

   Com o nome de TV Diamante, a previsão é que o novo canal de sinal aberto comece a operar na região em meados de janeiro do ano que vem. O contrato foi assinado com um grupo religioso da região.
   As condições técnicas para a transmissão do sinal em Caxias devem estar finalizadas ainda neste ano. A programação será transmitida por meio do canal 38 e terá duas horas locais, focadas no segmento religioso. O restante da grade vai retransmitir o sinal de Curitiba.
   Conforme o presidente da ARI/Serra Gaúcha, jornalista Paulo Renato Marques Cancian, a programação local deve ser veiculada entre 22h e meia-noite.
   Atualmente, a CNT pode ser assistida em Caxias pela TV por assinatura Sky, no canal 25, e por antena parabólica. A programação da CNT conta com jornalismo, entretenimento, esportes e religião.




Leia Mais ...

A morte de Henriette Vaccari ex-princesa da Festa da Uva

0 comentários
   A ex-princesa da Festa da Uva Henriette Vaccari foi encontrada morta na madrugada do dia 16. Ela estava nua e enrolada num lençol na sala do apartamento em que morava, localizado na Avenida Júlio de Castilhos, próximo ao Clube Juvenil, na área central de Caxias.  

   A princesa da Festa da Uva 2000, que sempre se identificou por sua simpatia e um largo e bonito sorriso, foi enterrada na manhã do dia 17, às 10h, no Cemitério Público Municipal.
   O laudo de necropsia deve apontar a causa da morte e ele deverá ficar pronto em 30 dias. O resultado do exame deve elucidar também a origem dos hematomas encontrados no corpo de Henriette.
   Segundo relato de Marcus Vinícius de Oliveira, o “Pezão”, que se identificou como companheiro de Henriette desde o final de outubro, ela teria se machucado numa viagem à Europa alguns dias antes de conhecê-la. Revelou que ela sofria de depressão, tomava remédios controlados e era viciada em álcool.
   O delegado Rodrigo Duarte da Delegacia de Homicídios, diz que as manchas podem ser decorrentes da própria morte, formada por depósitos de sangue que aparecem quando o corpo fica em contato com o chão. Para o delgado não há sinais aparentes de agressão e que inicialmente a tese de homicídio é descartada pela policia.
“Pezão” revelou que na noite de sábado, dia 15, ele estava com ela em seu apartamento quando Henriette teria ingerido vinho e cerveja e acordado por volta das 3h, do dia 16, pedindo um copo de água. Quando Oliveira foi buscar, ela teria desmaiado. O SAMU foi acionado, mas quando chegou ao local, Henriette já havia entrado em óbito.
“Pezão” diz que conhecia Henriette há 20 dias, depois que ela retornou de uma viagem à Europa.  Afirmou que se conheceram num banco da Praça Dante Alighieri. Com 28 anos, ele se identificou como lenhador de uma fazenda onde trabalha. Admitiu que teve passagem pela polícia mas garantiu “que é coisa do passado”,  e que atualmente vive uma vida normal.
Afirmou que não é usuário de drogas, que não estava fazendo tratamento de drogadição, mas revelou que fuma maconha, que no seu entendimento não é droga. Garantiu, também, que nunca forneceu drogas para a ex-princesa e que Henriette não era viciada em drogas, mas em álcool.

 Todos lembraram de Henriette 
como uma pessoa querida e alegre

    A despedida de Henriette, no velório e no sepultamento, teve cerca de 100 pessoas. O velóriofoi organizado por primos e uma sobrinha da ex-princesa, que veio de Goiânia, e acompanhado pelos ex-presidentes da Festa da Uva Ovídio Deitos, Reomar Slaviero, Valter Minusculi, Edson Nespolo e Ricardo Golin, além de ex-soberanas.
   “Eu fazia parte da diretoria da festa da uva quando Henriette foi princesa. Fazíamos muitas viagens e me lembro da sua entrega e dedicação”, revela Nespolo. Naquele ano o presidente da Festa era Ricardo Golin. Ele lamentou a perda e destacou a dedicação incansável de Henriette, enquanto princesa, e a relevância na representação da cidade.
    Muitas pessoas que acompanharam o velório não conseguiam compreender os motivos que levaram a morte da ex-princesa. Mas todos lembravam Henriette como uma pessoa querida e alegre. “O tempo foi passando e as pessoas tendo outros destinos, o contato vai se perdendo. Mas a Henriette trabalhou comigo na época em que me candidatei a prefeito. Foi uma profissional dedicada, amiga”, disse Milton Corlatti.
   Por meio de nota, o prefeito Alceu Barbosa Velho e a diretoria da Festa da Uva lamentaram o falecimento de Henriette. “Temos muito a agradecer por toda a contribuição que ela prestou à Festa da Uva”, afirmou. Henriette tinha 40 anos, foi soberana da Festa da Uva na edição de 2000, juntamente com a rainha Fabiana Bressanelli Koch e a outra princesa, Vanessa Slaviero.
   Antes disso, no início da década de 1990, ela foi Glamour Girl e passou uma temporada na Europa sendo modelo internacional, morava sozinha em Caxias, pois os pais são mortos. Ela tinha apenas uma irmã, que reside em Goiânia, mas enfrenta problemas de saúde.

                                                                                         Foto Julio Soares/Objetiva
Henriette foi uma meiga e bonita princesa da Festa da Uva em 2000 






Leia Mais ...

Maesa volta a ser de Caxias

0 comentários
A Assembleia Legislativa aprovou, nesta terça-feira, por unanimidade, com um total de 38 votos, o projeto do governo do Estado que autoriza a doação do antigo prédio da Metalúrgica Abramo Eberle SA, o Complexo Maesa, fábrica 2, para o município de Caxias do Sul. 


                                                                                                                 Foto Thiago da Luz Machado 
Agora Maesa depende da sanção de Tarso para voltar a ser de Caxias

    A deputada Marisa Formolo (PT) pediu inversão de pauta e o projeto foi o primeiro a ser votado na ordem do dia. e recebeu a aprovação unânime dos parlamentares presentes. O projeto deve ser encaminhado até o final da semana para sanção do governador Tarso Genro (PT). A partir do recebimento, o governador tem 15 dias para se manifestar.
   Assim, o município tem a posse e está autorizado a efetuar o tombamento do prédio. A prefeitura tem prazo de dois anos para definir a forma de utilização, porém sem afetar a destinação pública e cultural do complexo.
   O presidente da Comissão Especial que trata da Maesa na Câmara, vereador Jaison Barbosa (PDT), diz que, a partir de agora, as sugestões de uso apresentadas pela comunidade, em audiência pública no dia 18 de agosto, vão passar por análise detalhada da administração.
   Ele revela que uma comissão de especialistas e representantes políticos vai ser nomeada para selecionar as melhores alternativas apresentadas na audiência para a utilização do espaço.
   O complexo da Maesa possui, ao todo, mais de cinco hectares. Diversas entidades de ação social, associações culturais e comunitárias demonstraram interesse em fazer uso do prédio. Existe a possibilidade de lançamento de um concurso público para definir o melhor projeto de ocupação.
   O projeto foi encaminhado à Assembleia em 9 de julho. A doação prevê que o complexo de aproximadamente 53 mil metros quadrados se destine a uso público com finalidade cultural, de equipamentos públicos e de funcionamento de órgãos públicos.

Prefeitura pretende 
priorizar interesse coletivo

   Com a aprovação do projeto de repasse da Maesa, no dia 18, na Assembleia Legislativa, Caxias, agora, espera pela sanção do governador Tarso Genro (PT) para iniciar o planejamento para a ocupação da estrutura de importante valor histórico para Caxias.
    O chefe de Gabinete da Prefeitura, Edson Nespolo, diz que a decisão sobre a melhor forma de utilização vai acontecer mediante diálogo aprofundado entre o poder público, sociedade e entidades comunitárias e culturais que demonstraram interesse em fazer uso do local. Ele anuncia que vai ser levado em conta o interesse coletivo, buscando projeto que contemple o maior número possível de pessoas.
  Nespolo assegurou que, antes da ocupação da estrutura, é preciso concluir o processo de retirada da empresa que atualmente aluga o espaço, o grupo Voges. No entanto, conforme ele, a companhia deve colocar à disposição algumas áreas da estrutura nos próximos três ou quatro meses.


Leia Mais ...

Web Designer Caxias

Facebook